Bem Vindo!!!

Parábolas e Fábulas são contadas de geração em geração e tem como atributo principal fazer-nos refletir sobre nossas atitudes e comportamentos.



Em sua maioria trazem, em seu conteúdo, lições de moral relacionadas ao comportamento humano com o próximo.



O objetivo deste blog é divulgar as muitas parábolas e fábulas contadas pelo mundo, bem como colaborar para que nos tornemos mais sábios e preparados para encarar a vida e seus desafios.



Boa Leitura!!!



sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Evangelizar é preciso!

Todos os domingos à tarde, depois da escola dominical, um pastor e seu filho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam
folhetos evangelísticos.   Numa tarde de domingo, quando chegou à hora de saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito.
O menino se agasalhou e disse:

-Ok, papai, estou pronto!  '

E o pastor perguntou:

-'Pronto para quê?':

-'Está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos. '

O pastor respondeu:

-'Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito. '

O menino olhou surpreso e perguntou:

-'Mas papai,  as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?!'

O pastor respondeu:

-'Filho, eu não vou sair nesse frio!  '

Triste, o menino perguntou:

-'Eu posso ir?
Por favor!'

O pastor hesitou por um momento e depois disse:

-'Filho, você pode ir.
Aqui estão os folhetos.              Tome cuidado, filho!  '

-'Obrigado, papai!'

Então ele saiu no meio daquela chuva.
Este menino de onze anos
caminhou pelas ruas da cidade de porta em porta entregando folhetos sacros a todos que via.

Depois de caminhar por duas horas na chuva, ele estava todo molhado, mas faltava o último folheto.
Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam totalmente desertas.
Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha.
Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu. Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta.
Ele esperou, mas não houve resposta.

Finalmente, este soldadinho de onze anos se virou para ir embora, mas algo o deteve.
Mais uma vez, ele se virou para a porta, tocou a campainha e bateu na porta bem forte.
Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda.
Ele tocou de novo e desta vez a porta se abriu bem devagar.
De pé na porta estava uma senhora idosa com um olhar muito triste.
Ela perguntou gentilmente:

-'O que eu   fazer por você, meu filho?'

Com olhos radiantes e um sorriso que iluminou o mundo dela, este
pequeno menino disse:

-'Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR. '

Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora.
Ela o chamou e disse:

-'Obrigada, meu filho!!!
E que Deus te abençoe!!!'

Bem, na manhã do seguinte domingo na igreja, o Pastor estava no altar,quando a escola dominical começou ele perguntou:

- 'Alguém tem um testemunho ou algo a dizer?'

Lentamente, na última fila da igreja, uma senhora idosa se pôs de pé. Conforme ela começou a falar, um olhar glorioso transparecia em seu rosto.

- 'Ninguém me conhece nesta igreja. Eu nunca estive aqui.
Vocês sabem antes do domingo passado eu não era cristã.
Meu marido faleceu a algum tempo deixando-me totalmente sozinha neste mundo.
No domingo passado, sendo um dia particularmente frio e chuvoso, eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver.

Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi as escadas para o sótão da minha casa.
Eu amarrei a corda numa madeira no telhado, subi na cadeira e coloquei a outra ponta da corda em volta do meu pescoço.
De pé naquela cadeira, tão só e de coração partido, eu estava a ponto de saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou.
Eu pensei:

-'Vou esperar um minuto e quem quer que seja irá embora. '

Eu esperei e esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa que estava tocando também começou a bater bem forte.
Eu pensei:

-'Quem neste mundo pode ser? Ninguém toca a campainha da minha casa ou vem me visitar. '
Eu afrouxei a corda do meu pescoço e segui em direção à porta, enquanto a campainha soava cada vez mais alta.

Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na
minha varanda estava o menino mais radiante e angelical que já vi em minha vida.
O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês!
As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito tempo SALTASSE PARA A VIDA quando ele exclamou com voz de querubim:
-'Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO. '

Então ele me entregou este folheto que eu agora tenho em minhas mãos.

Conforme aquele anjinho desaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e atenciosamente li cada palavra deste folheto.
Então eu subi para o sótão para pegar a minha corda e a cadeira.
Eu não iria precisar mais delas. Vocês vêem - eu agora sou uma FILHA FELIZ DE DEUS!!!

Já que o endereço da igreja estava no verso deste folheto, eu vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO ao anjinho de Deus que no momento certo livrou a minha alma de uma eternidade no inferno. '

Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos na igreja.
O pastor desceu do altar e foi em direção a primeira fila onde o seu anjinho estava sentado.
Ele tomou o seu filho nos braços e chorou copiosamente.

Naquele domingo,nenhuma igreja teve um momento tão glorioso como este.

Lembre-se: a mensagem de Deus pode fazer a diferença na vida de alguém próximo a você.
Por isso...

- Me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS TE AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último último folhetinho de hj!!

achei massa, compartilhando com vcs!!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Fábula da rã

Foi feito um grande desafio para os Sapinhos:

O objetivo era atingir o alto de uma grande torre.

Havia no local uma multidão assistindo.

Muita gente para vibrar e torcer por eles.

Começou a competição.

Mas como a multidão não acreditava que os
sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre,
o que mais se ouvia era:

"Que pena !!! 
esses sapinhos não vão conseguir...
...não vão conseguir..."
E os sapinhos começaram a desistir.


Mas havia um que persistia e continuava a subida
em busca do topo...


A multidão continuava gritando :

"... que pena !!! vocês não vão conseguir !..."
E os sapinhos estavam mesmo desistindo, um por um...
menos aquele sapinho que continuava tranqüilo...
embora cada vez mais arfante. 

Já ao final da competição, todos desistiram, menos ele... 

A curiosidade tomou conta de todos.
Queriam saber o que tinha acontecido...

E assim, quando foram perguntar ao sapinho
como ele havia conseguido concluir a prova,
aí sim conseguiram descobrir... 
que ele era surdo !

Não permita que pessoas com o péssimo hábito 
de serem negativas, 
derrubem as melhores e mais sábias 
esperanças de nosso coração !

Lembre-se sempre :

Há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos...
Portanto, procure sempre ser

POSITIVO  
Resumindo :
Seja "surdo" quando alguém lhe diz que você
NÃO pode realizar seus sonhos... 

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

LARGATIXA

Um conferencista compareceu ante o auditório superlotado, carregando consigo um pequeno fardo. Após cumprimentar os presentes, em silêncio, enfeitou uma mesa forrada com toalha branca de seda, com dezenas de pérolas que trouxera no embrulho e com várias dúzias de flores frescas e perfumadas.
Em seguida apanhou na sacola diversos enfeites de expressiva beleza, e os distribuiu sobre a mesa com graça.
Logo depois, diante do assombro de todos, em meio aos demais objetos, colocou uma pequenina lagartixa, num frasco de vidro.
Só então se dirigiu ao público perguntando:
- O que é que os senhores estão vendo?
E algumas vozes responderam discordantes:
- Um bicho!
- Um lagarto horrível!
- Uma larva!
- Um pequeno monstro!
O conferencista então considerou:
- Assim é o espírito da crítica destrutiva, meus amigos! Os senhores não enxergaram o forro de seda branca que recobre a mesa. Não viram as flores, nem sentiram o seu perfume. Não perceberam as pérolas, nem as outras preciosidades. Mas não passou despercebida aos olhos da maioria, a pequena lagartixa...
E, sorridente, concluiu:
- Me pediram para subir a este palco para falar sobre crítica, portanto, nada mais tenho a dizer.

Quantas vezes não nos temos feito cegos para as coisas valorosas da vida e das pessoas? Se seu filho mostra seu boletim escolar repleto de boas notas, mas com apenas uma nota baixa em determinada matéria, qual é a sua reação? Você enfatiza e elogia as notas boas, ou reclama da nota baixa? Quando agimos assim, sem perceber, podemos estar contribuindo para a formação de uma geração que será caracterizada pelo que não é, e não por aquilo que é.
E assim acontece em muitas situações da nossa vida; em vez de focarmos nas flores e nas perolas, colocamos nossa atenção na “lagartixa”.
Tente substituir a crítica pelo elogio e pelo reconhecimento. Você vai perceber que isso tornará a vida de todos, e principalmente a sua, muito melhor! HV HV

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Eco da vida




ECO DA VIDA

Um pequeno garoto e seu pai caminhavam pelas montanhas.De repente o garoto cai, se machuca e grita:- Aai!!!Para sua surpresa escuta a voz  se repetir em algum lugar da montanha:- Aai!!!Curioso pergunta: - Quem é você?Recebe como resposta: - Quem é você?Contrariado grita: - Seu covarde!!!Escuta como resposta: - Seu covarde!!!Olha para o pai e pergunta aflito: - O que é isso?O pai sorri e fala: - Meu filho, preste atenção!!!Então o pai grita em direção a montanha: - Eu admiro você!A voz responde: - Eu admiro você!De novo o homem grita: - Você é um campeão!A voz responde: - Você é um campeão!O garoto fica espantado sem entender nada.Então o pai explica:As pessoas chamam isso de ECO , mas na verdade isso é a vida.Ela lhe dá de volta tudo que você diz ou faz.Nossa vida é simplesmente o reflexo das nossas ações.Se você quer mais amor no mundo, crie mais amor no seu coração.Se você quer mais responsabilidade da sua equipe, desenvolva a sua responsabilidade.Se você quer mais tolerância das pessoas, seja mais tolerante.Se você quer mais alegria no mundo, seja mais alegre.Tanto no plano pessoal quanto no profissional, a vida vai lhe dar de volta o que você deu a ela.SUA VIDA NÃO É UMA COINCIDÊNCIA;SUA VIDA É A CONSEQÜÊNCIA DE VOCÊ MESMO!!!
                              Autor desconhecido

Balança da vida.

Uma avida pode ser comparada com uma balança.
Onde em alguns momentos vamos sentir o peso dela e
às vezes nem mesmo vamos notar que estamos nela.

O peso de maior quantia são os pontos negativos,
pois erramos sem perceber e dificuldades virão,
isso acabará acumulando a nossa caminhada pela vida Pedras?
Muitas você vai encontrar na jornada da vida, mas não as deixe pelo caminho, pois precisará para quando seu castelo você quiser levantar.

O peso de menos quantidade, pode simbolizar os momentos positivos onde aprendemos com os nossos erros, crescemos com as nossas vitórias e nos adaptamos a viver a vida como ela é.

E nessa longa caminhada erramos e acertamos
Ganhamos e até mesmo perdemos
Choramos, mas logo sorrimos
Nos magoamos, mas acabamos perdoando.

Pois na corrida da vida ninguém ganha e nem perde
Apenas aprendemos a VIVER!

Autor: Emanoela Souza Lima

O pássaro e o sábio.

Era uma vez, num determinado reino vivia um velho sábio. Ele era o mais sábio dos sábios e nenhuma questão que lhe fosse levada ficava sem solução. Ele sabia tudo de tudo.

Existia nesse reino um rapaz que não se conformava com isso. Ele não aceitava o fato do sábio conseguir decifrar qualquer enigma, fosse ele qual fosse. Durante muito tempo o plebeu ficou arquitetando uma forma de pregar uma peça no sábio.

” Tem que existir uma forma de enganar o sábio. Ninguém sabe tudo de tudo “… pensava ele.

Até que um dia ele descobriu uma forma, a qual nem mesmo o mais sábio dos sábios teria saída.

“Colocarei em minhas mãos, levemente fechadas, um pequeno pássaro vivo e perguntarei ao sábio se o pássaro está vivo ou morto. Se ele responder que está morto, eu abrirei as mãos e o libertarei para o vôo. Se ele responder que está vivo, eu o apertarei com os dedos e o matarei.

O sábio não terá saída.

Assim fez.

Diante do sábio ele procedeu como acima exposto, perguntando se o pássaro estava vivo ou morto.

O sábio olhou bem nos olhos do rapaz e respondeu:

“Meu bom homem, a vida desse pássaro está em suas mãos “.

Muitas vezes, por diversas formas, a vida do nosso casamento está em nossas mãos . Cabe a nós a responsabilidade de escolher entre matá-lo ou salvá-lo.

Viver é mais que existir!


Não basta existir, é preciso viver. E viver é muito mais que existir.
Viver implica aprender e, para ser aprendiz, é preciso humildade.
Viver implica movimento. E não há movimento sem esforço e atrito.
A vida é dinâmica, jamais se estanca. Vibra serena e sem pressa, embora nunca pare para esperar quem ignore seu ritmo.
Para existir, basta estar. Para viver, é preciso ser, por inteiro. Viver implica progredir, ir adiante, avançar.
Para viver, não basta ver, ouvir, pensar e falar, pois estas são manifestações da existência. Para viver, é preciso sentir, mergulhar em si mesmo e sair.
Viver implica iluminar-se e, sob a luz da própria consciência, apontar os próprios defeitos e limites.
Viver implica assumir a responsabilidade pelos próprios actos, transformando-os todos em gestos de amor e compaixão.
Viver implica conhecer-se, profundamente, e, ciente de si, deixar de enganar-se, trabalhando para mudar aquilo que não está bem.
Viver implica arriscar-se. E o maior risco é errar.
Viver é estar no todo, sendo tudo. Viver é enxergar a luz, mesmo nas sombras, e criar luz nas próprias trevas.
Viver é expandir a própria existência para além dos limites imaginados.
Viver é doar-se, sem pedir; é ceder, sem resistir; é entregar-se, sem recear.
Quem vive, renasce um novo ser todos os dias.
Quem vive, tem a própria existência traçada a lápis e recria o próprio destino, minuto a minuto, com a borracha da sabedoria e do perdão.
Viver é ter na própria consciência uma única história. Para viver, não basta existir.

Autor desconhecido